Censura não tem graça nenhuma

As bombas e a censura têm o condão de calar e de impedir que quem as arremesse seja ouvido, por isso estúpidas

Há exatos cinco anos, o periódico Charlie Hebdo publicava uma charge caricatural de Maomé. A versão tupiniquim ficou por conta do grupo humorístico Porta dos Fundos e de sua caricatura, em vídeo, de um Jesus gay, em episódio lançado às vésperas do último Natal.

Em ambos os casos, houve manifestações de todos os tipos: a favor, contra e daqueles que tentavam tratar da questão como se estivessem em um número de circo equilibrando o prato chinês.

Até que vieram as bombas. Até que chegou a censura.

O escritor angolano Manuel Rui, em ensaio sobre a colonização imposta pelos portugueses a seu país, lembra que, quando o invasor chegou, os mais velhos contavam estórias, e é certo que o invasor as podia ouvir e ser ouvido, mas preferiu os canhões. E, como é comum em cenários destes, a censura.

“As bombas e a censura, sempre estúpidas e inválidas, têm o condão de calar, por isso inválidas, e de impedir que quem as arremesse seja ouvido, por isso estúpidas.  Não é à toa que, na estratégia de qualquer colonização, as bombas e a censura andem abraçadas.”

No mundo complexo em que vivemos, a falta de capacidade e de tempo para absorver ideias tornam o debate público mero entretenimento e o contaminam pela linguagem de propaganda, em que os posicionamentos se fazem por frases de efeito, slogans e estereótipos.

É nesse deserto de prazeres que a arte, da qual é filho o humor, propõe-se a ser ambígua, provocativa, transgressora. Essas, aliás, são as principais características da arte moderna. A discussão acalorada, a multiplicidade de leituras sobre o que todos pensaram e acharam sobre o vídeo do Porta dos Fundos são o que de melhor o humor pode nos oferecer.

É esse ambiente de debate que acalma os ânimos, e não a censura, e não as bombas. Depois delas, com o perdão do trocadilho, a discussão perdeu a graça. Se estivéssemos em uma pelada de rua, seria como se alguém pegasse a bola e a levasse embora.

Todos ficamos interrompidos em nossas saudáveis diferenças quando o barulho da bomba nos cobriu o debate, quando nos arremessaram no ar (ou fora do ar?) a censura, pois a defesa do direito do grupo humorístico deixa de ser parte de uma controvérsia inquietante, e passa a ser a defesa de nossos valores democráticos mais básicos, mais íntimos. Defender o direito de expressão, nesse caso, equivale à defesa da Constituição como um instrumento civilizatório.

Seria bom pensarmos que nosso caminho tem sido aceitar o convite de Manuel Rui, o caminho oposto ao da força, ao do autoritarismo, mas, analisando o Brasil, ainda que na superfície, seria uma ilusão.

Quando buscamos pluralismo com vigilância e repressão, quando afirmamos que censura não se debate, quando agredimos o intolerante com intolerância, quando acreditamos que o poder geral de cautela pode servir ao judiciário censurar obras artísticas, que a exceção bruta do direito pode ser a regra, todos nós, de alguma forma, mesmo sem nos darmos conta, lançamos bombas que explodem no nosso próprio colo, mais hora menos hora, invariavelmente.

Artigo publicado originalmente no Jota.

Compartilhar

Copiar link

Copiar